segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Marmitas e andaimes


Aquele homem que ali vai, subindo e subindo
É humilde, é brasileiro, é trabalhador, é sonhador,
Acorda de madrugada em busca do pão de cada dia,
Beija mulher e filhos na esperança de vê-los outra vez.

Estes versos são brancos, como a paisagem que o obreiro vê.
Lá de cima, olhando em frente, vê-se apenas fumaça da cidade,
Mas este obreiro enxerga sonho, futuro, sua visão vai além, tem fé!
Um dia vou construir o que será meu, agora ele sorri, terminara a oração.
                                                                                                                      |a
ordem e progresso                                                                                                                            |n
                 b                                                                                                                          |d
                 r                                                                                                                           |a
                 e                                                                                                                          |i
                                 i                                                                                                                            |m
                         r                                                                                            |e
utopia- alucinação                                                                                                                           |s

Colunas, cimento, cal, carma de todo dia, sol a pino, hora da marmita:
Feijão, arroz, farofa quando há, a água é um milagre, sim, obrigado!
O calor judia e o suor escorre, o sonho sua, seco e salgado, solar!
Vida insalubre, o segundo é valioso, a respiração também, mas

O ar já falta, pois a idade lhe sobra, o andaime, fixo, dança,
Eis a tragédia inevitável, seu corpo é folha seca outonal...
Pobre homem, homem pobre, amanhã não terá o pão,
Comera derradeiramente o que o diabo amassou.

Marco Hruschka
28/06/2010


0 comentários:

Marco Hruschka no Facebook

Quem sou eu?

Minha foto
Maringá, Paraná, Brazil
Marco Hruschka é natural de Ivaiporã-PR, nascido em 26 de agosto de 1986. Morou toda a sua vida no norte do Paraná: passou a infância em Londrina e desde os 13 anos mora em Maringá. Sempre se interessou em escrever redações na época de colégio, mas descobriu que poderia ser escritor apenas com 21 anos. Influenciado por professores na faculdade – cursou Letras na Universidade Estadual de Maringá – começou escrevendo sonetos decassílabos heroicos, depois versos livres, contos, pensamentos e atualmente dedica-se a um novo projeto: contos eróticos. Seu primeiro poema publicado em livro (Antologia de poetas brasileiros contemporâneos – vol. 49) foi em 2008 e se chama “Carma”. De lá para cá já, entre poemas e contos, já publicou mais de 50, não apenas pela CBJE, mas também em outras antologias. Em 2010 publicou seu primeiro livro solo: “Tentação” (poemas – Editora Scortecci). Em 2014, publicou “No que você está pensando?” (Multifoco Editora), livro de pensamentos e reflexões escrito primordialmente no facebook. É professor de língua francesa e pesquisador literário.

Lançamento

Lançamento
No que você está pensando?
"A vida é um compromisso inadiável" M. H.
"A cumplicidade é um roçar de pés sob os lençóis da paixão." M.H.

No que você está pensando?

No que você está pensando?
Pensamentos e reflexões

Meu livro de poemas

Meu livro de poemas
Tentação

Total de visualizações de página

Seguidores

Contato:

marcohruschka@hotmail.com
Tecnologia do Blogger.

Siga-me por e-mail